segunda-feira, 27 de julho de 2009

Detalhamento do 1º Estudo do Mês de Agosto

CICLO DE ESTUDOS DO MÊS DE AGOSTO - TEMA: Vida e Sexo
1º Estudo do Ciclo IV:

TEMA ESPECÍFICO DO ESTUDO:
Vida a dois

MÊS: Agosto

DATA: 01/08/2009

ORADOR(A): Fernando Couto

ABORDAGEM:

  • Todos os nossos Detalhamentos (perguntas, citações, indicações de páginas, etc.) estão baseados na 1ª edição do livro Vida e Sexo. Portanto, se o (a) leitor (a) consultar outras edições, haverá diferenças na indicação das páginas.

  • Objetivo geral do estudo: O enfoque desse estudo é a vida a dois em suas principais configurações: o namoro e o casamento tendo em vista as vidas sucessivas e a lei de ação e reação. Os relacionamentos conjugais são oportunidades preciosas de resgate e de elevação, verdadeiros educandários divinos para o espírito. Além disso, o estudo analisará o divórcio segundo os princípios da Doutrina Espírita.

3 – Namoro:

  • Qual a força da energia sexual a qual estamos submetidos enquanto espíritos? (p.16)

  • Fale-nos sobre a influência dos Espíritos que se corporificarão no futuro lar sobre o ânimo dos casais ainda no período do namoro, influenciando-os para casamentos ou para a paternidade e maternidade. (p.17)

  • Considerando nossas muitas reencarnações e os afetos e desafetos que adquirimos ao longo de nossa caminhada evolutiva, comente a frase: “Isso porque a doação de si mesmos à comunhão sexual, em regime de prazer sem ponderação, não os exonera dos vínculos cármicos para com os seres que trazem à luz do mundo (...)” (p.17)

7 – Casamento:

  • O que é o casamento segundo as Leis Divinas? É o vínculo estabelecido entre duas pessoas mediante: o reconhecimento governamental / judicial, o reconhecimento religioso, o reconhecimento social, a união estável em um determinado período de tempo etc.?

  • Por que o casamento, isto é, a união permanente de dois seres, não é contrário à lei da Natureza? (p.27)

  • Fale-nos acerca da responsabilidade recíproca entre os cônjuges, visto que somos espíritos reencarnados. (p.27 e 28)

  • Explique-nos as “uniões ideais”, ou seja, aquela em que as criaturas “se jungem psiquicamente uma à outra, sem necessidade da permuta sexual, mais profundamente considerada, a fim de se apoiarem mutuamente, na formação de obras preciosas, na esfera do espírito” (p.28)

  • Comente e explique a frase: “De qualquer modo, é forçoso reconhecer que não existem no mundo conjugações afetivas, sejam elas quais forem, sem raízes nos princípios cármicos, nos quais as nossas responsabilidades são esposadas em comum” (p.29)

  • Analise a situação: Um casal que não se ama, mas, que ainda assim, mantém relações sexuais. Como a energia sexual atuará diante da vida desse casal considerando o aspecto espiritual desses cônjuges?

8 – Divórcio:

  • Por que nas condições normais do casamento, a lei do amor não é levada em conta? (O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo 22, item 3).

  • Por que o divórcio não deve ser facilitado entre as criaturas? (p.30)

  • O divórcio caracteriza sempre uma interrupção / recusa / adiamento transitório do desempenho dos compromissos abraçados? (p.31)

  • Quando o divórcio é permitido / necessário sob os princípios da Justiça Divina? (p.31) Analise a situação: Um casamento não-pautado no amor que não acarretará em crimes, tais como: suicídio, assassinato etc. Tendo em vista o desgaste emocional / psicológico e outras situações desagradáveis para o casal e, principalmente para os filhos, pergunta-se: É permitido o divórcio nessa situação sob os princípios da Justiça Divina?

  • Esclareça-nos melhor acerca da importância da continuidade e da sustentação dos “casamentos de provação” (p.32). Faça uma análise segundo o Espiritismo acerca do divórcio no âmbito dos chamados “casamentos de expiação”.

  • Quando há o término do casamento, como fica a alimentação psíquica de energias espirituais entre os cônjuges separados? Como lidar com essa falta?

  • O que Jesus queria nos ensinar ao dizer: “não separeis o que Deus ajuntou”? (p.32)

9 – União infeliz:

  • Fale-nos sobre a ação da Lei de e , diante da frase: “A pedra que atiramos no próximo talvez não volte sobre nós em forma de pedra, mas permanece conosco na figura de sofrimento.” (p.34)

  • Comente a frase: “Isso porque, embora não percebamos de imediato, recebemos, quase sempre, no companheiro ou na companheira da vida íntima, os reflexos de nós próprios” (p.34)

  • Explique a diferença entre se manter apenas no <êxtase do noivado> e assumir o compromisso do . (p.34)

  • Fale-nos sobre a aparente no início dos relacionamentos e a luta educativa no período da convivência conjugal. E também da alternância dos papéis de vítima e de algoz nas relações conjugais, tendo em vista as sucessivas existências. (p.35)

  • Explique a união infeliz como educandário bendito onde o espírito se refaz ante as leis do destino. (p.36)

12 – Desajustes:

  • Explique-nos a projeção que um cônjuge faz ao outro como nos remete a frase seguinte: “Em certos lances da experiência, é a mulher que se consorciou acreditando encontrar no esposo o retrato psicológico do pai, a quem se vinculou desde o berço; em outros, é o homem a exigir da companheira a continuidade da genitora, a quem se jungiu desde a vida fetal” (p.44)

  • Fale-nos sobre a importância do conhecimento da reencarnação no contexto dos obstáculos e das provas enfrentados pelo casal. (p.45)

  • Explique a ilusão da “fusão” e a falsidade da teoria das “metades eternas”: “Urge perceber que o ‘nós’ da comunhão afetiva não opera a fusão dos dois seres que o constituem”. (p.45)

  • Comente acerca do “continuísmo da obra de resgate ou de elevação no tempo de agora”: “Habitualmente, o homem recebe a mulher, como a deixou e no ponto em que a deixou no passado próximo (...)” (p.46). Fale-nos do parceiro que “consubstancia necessidades e provas” para a parceira e vice-versa. (p.46)

BIBLIOGRAFIA:
  • XAVIER, Francisco Cândido. (Espírito Emmanuel). Vida e Sexo. 1ª edição. 1970. FEB.

  • KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. FEB. Sobre “Relações de simpatia e de antipatia entre os Espíritos. Metades eternas”: Questões: 291 a 303. Sobre “Simpatia e antipatia terrenas”: Questões 386 a 391. Sobre “Casamento”: Questões 695 a 697. Sobre “Igualdade dos direitos do homem e da mulher”: Questões 817 a 822. Sobre “Decepções. Ingratidão. Afeições destruídas”: Questões 937 e 938. Sobre “Uniões antipáticas”: Questões 939 e 940.

  • KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo XXII “Não separeis o que Deus juntou”.

  • KÜHL, Eurípedes. Sexo: sublime tesouro. 6ª edição. 2006. Editora Espírita Fonte Viva. (Capítulo 11 “Casamento” e Capítulo 15 “Divórcio”).

  • BARCELOS, Walter. Sexo e evolução. 2ª edição. FEB (Capítulo 16 “Sexo e amor”; Capítulo 17 “Sexo e estímulo” e Capítulo 18 “Sexo e matrimônio”).

Os outros temas do Ciclo de Estudos:

(As abordagens dos temas são postadas semanalmente no Blog)

  • Data: 08/08/2009 - Tema: Família

  • Data: 15/08/2009 - Tema: Aborto

  • Data: 22/08/2009 - Tema: Abstinência e Celibato

  • Data: 29/08/2009 – Tema: Amor Livre

Abraços Fraternos!

Nenhum comentário: